Vitrine do samba

História do Carnaval de Uruguaiana


Publicado em 4 dez 2012

HISTÓRIA DO CARNAVAL DE URUGUAIANA

1ª EDIÇÃO– 11 janeiro 2006- DANIEL FANTI Vice Presidente de carnaval da LIESU

INTRODUÇÃO

“Garimpar” aspectos da história do carnaval de Uruguaiana é mostrar que esta festa popular tem suas raízes bem mais profundas do que se imagina. Começa pelo o Entrudo ou jogo do Entrudo, costume trazido pelos portugueses. Era comum, antes da quaresma, as famílias e amigos realizarem o Jogo do Entrudo que consistia em fazer brincadeiras jogando águas perfumadas uns aos outros, dentro de bolas de cera, chamados de limões-de-cera. Os escravos misturados com o povão, pelas ruas, faziam o similar, atirando farinha, água nos transeuntes, esfregando polvilho na cabeça dos negrinhos, tornando-se uma brincadeira tradicional, cujo costume originou os chamados carnavais d’água, os lança-perfumes, confetes e serpentinas. Essas brincadeiras como tempo tornaram-se  inconvenientes e incomodativas irritando aqueles que não aderiam ao costume, gerando desavenças e conflitos mais sérios. Então, em 1875 o Presidente da Câmara de Vereadores, Cel. Augusto Cesar de Araújo Bastos, de acordo com o Código de Posturas por Edital, proíbe o Jogo do Entrudo, estabelecendo multas aos infratores e açoites aos escravos. Grupos de jovens de famílias ricas organizavam as famosas sociedades bailantes e  em época de carnaval os bailes de “Masqué “( bailes de máscaras), abrilhantados por orquestras, usando as famosas bisnagas com água perfumadas, confetes e serpentinas, tendo como local suas amplas residências, estendendo-se aos pátios ajardinados. Não existindo clubes sociais, as sociedades bailantes faziam suas festas, alugando o Teatro Carlos Gomes e ou a sede da Societá Italiana di Mutuo Socorro Unione e Beneficensa. Nas ruas, poucos fantasiados populares apareciam importunando os transeuntes dizendo: Você me conhece ? Alguns eram recolhidos pela polícia por suas inconveniências. Num passado não muito remoto houve grandes carnavais proporcionais ao tempo e a população da cidade. Pelas pesquisas, realizadas, que agora se traz a lume, verifica-se que em Uruguaiana a festa momesca iniciou-se numa ordem inversa descendente, isto é, da elite ao povão, através dos tradicionais clubes sociais, primeiramente o Clube Comercial formado e freqüentado pelos industriálistas  e pecuaristas, logo a seguir   fundava-se o Clube Caixeiral que abrangia a classe de comerciantes e comerciários, podemos assim dizer, que essas entidades tornaram-se os alicerces do embasamento dos sonhos e alegrias das festas momescas. Um pouco mais tarde, após a libertação do escravos, a população negra tomou seus próprios rumos e foram se organizando em sociedade nas primeiras décadas do Século XX, fundando suas associações de classe e entidades carnavalescas que marcariam épocas. Apareceu  a Sociedade Recreativa Laço do Amor e a S.B.U Filhos do Trabalho e a sociedade Carnavalesca Cordão de Ouro e o bloco Pierrot. Entre a elite e as sociedades negras, restava o resto da população numa quantia bem maior, que a seguir, agregados por associação de classes surgiram também os clubes de desportos como o Tênis Clube Rio Branco e o Uruguaiana Praia Club, clubes estes de classe elitizada. Em meados do Século XX, surgiram diversos clubes de classe média, como o  Grêmio Recreativo Tiradentes, Grêmio Cabo Luiz Quevedo, SBU dos Motoristas, Associação dos Varejistas e Clube Juventude citando os mais antigos. Dentre a maioria dessas entidades no reinado de Momo surgiram os blocos carnavalescos de salão mas, que em determinados carnavais de  épocas faziam seus “assaltos” à residências previamente combinado com o dono, sendo obsequiados com frios, doces e bebidas fazendo ali, uma festa de carnaval e  outros blocos saiam às ruas antes da entrada no clube. Em determinadas zonas da cidade surgia certos blocos que se formavam aleatoriamente de grupos familiares e amigos. Na década de 1950, é que foram recém criadas as Escolas de Samba, as primeiras como Os Filhos do Mar, Os Rouxinóis e os Manda-Chuva da Folia. Mais tarde, a Cova da Onça, Unidos do Uirapuru, Ilha do Marduque, Acadêmicos do Samba e Deu Chucha na Zebra.

CURIOSIDADES ESPARSAS

1934- A Srta. Lizete  Veloso, rainha do Bloco Alegria era conduzida num coche de gala, puxado por cavalos e escoltada por nove “garçons d’honeurs” formando assim a corte. Entravam esplendidamente para a festa de coroação no Clube Comercial.

1932- Os jogos d’água se realizavam na 2ª e 3ª feira de carnaval, denominados de entrudo, formado por automóveis, caminhões e bandos de pessoas procurando molhar os transeuntes desprevenidos.

1932- Srta. Izar Vilella, rainha do Clube Comercial com sua comitiva visitava os bailes carnavalescos no clube Caixeiral e demais sedes de entidades carnavalescas. Felipe Papaleo era o presidente do Bloco Democratas do Caixeiral.

1932- A Srta. Sarita Guterres era a rainha do bloco Cordão de Ouro que à principio tinha sua sede no Centro Social de Beneficência.

1931- Nos dias de carnaval o corso  se realizava na então, rua Duque de Caxias. Era o ponto alto dos folguedos de Momo, nessa festa tipicamente popular a alegria se propagava com as guerras de confetes, serpentinas e lança~perfumes.

1931- O Maestro Servan fazia a melodia das marchinhas de carnaval para o bloco Xadrez com letra do jovem Hermelindo Cavalheiro.

1937- Na rua Ceará (hoje Tiradentes ) no lugar denominado Cova da Onça, um soldado enfurecido do 8º R. C. I,  tentando não ser molhado, alveja com tiros a jovem Jurema da Rosa, que junto com outras moças participavam dos jogos d’água. O soldado foi preso e indiciado por tentativa de homicídio.

1978- O Jornal Ilustrado critica Os Rouxinóis dizendo: “ que deliberadamente, provocou talvez, o único grave senão de seu desfile, com a inclusão de dois travestis, lamentável…”

1978- o historiador Raul Pont, convidado pela COMCECAR, julga o quesito enredo no carnaval de rua.

1938- A Prefeitura Municipal regula o tradicional Jogo d’água, somente das 14 h às 18 h.

1987- É escolhido por voto o Rei Momo, o Zecão, gerando certo descontentamento, por ser ele “de cor”, embora fosse o mais animado e popular concorrente.

1987-A Censura advertia às entidades carnavalescos no Carnaval de rua, referindo-se a nudez das moças no desfile, que não se responsabilizaria por elas na  dispersão da Avenida.

1931- Funda-se o Cordão Carnavalesco Estrela do Sul, tendo na sua diretoria o Sr. Luiz Mutti e o presidente Sr. Domingos Lucques.

1931- Na S. B. U. Caixeiral, durante o baile carnavalesco executado pela orquestra, dançava-se a “Polonaise “ dança dos antigos saraus da nobreza, em que os pares  cheios de mesuras, seguravam-se apenas pelas mãos, com  direito ao som de piano e violino.

1931- É fundada a Associação  Burlesca B. C. Gaúcho, tendo como presidente o Sr. Francisco X. de Vargas Filho.

1956- A Escola de Samba Os Manda-Chuva da Folia, recebe da rádio Charrua um troféu, por ter saído de suas fileiras a 1ª Rainha do Carnaval Popular, a Srta. Nilza Medeiros, por um concurso realizado entre entidades carnavalescas. Considera-se como a 1ª rainha do Carnaval de rua de Uruguaiana.

1956- A Comissão Oficial de Carnaval, nomeada pelo Prefeito Municipal encontrava-se com sérias dificuldades de conseguir um Rei Momo, ninguém aceitava o convite.

1983- Yolanda Salgueiro e Neri Lima, foram respectivamente os grandiosos Porta-Bandeira e Mestre-Sala da tradicional Cova da Onça.

1983- Os Rouxinóis abalam à torcida verde e branco, e ao público, ao entrar na Avenida, a direção anuncia que não iriam concorrer para não submeterem ao julgamento dos jurados. Deram de bandeja o campeonato para a rival Cova da Onça.

1980- Em vista das principais escolas de samba, Os Rouxinóis e Cova da Onça não participarem do carnaval, cria uma rivalidade sem tamanho entre as subsequentes Chucha na Zebra e Ilha do Marduque. Havia segredo em tudo, comenta a imprensa. A preto-branco exigia identificação das pessoas para assistirem aos ensaios e não mostrava os protótipos das fantasias aos desconhecidos. A Ilha, por sua vez, escondia o número de integrantes e nem divulgava a letra de seu samba-enredo. Nos barracões a coisa era pior: havia vigilantes por toda a parte, em ambas as escolas. Mesmo assim a espionagem funcionava.

1981-É escolhido o rei Momo, Carlos Ramos, com 29 anos e 130 quilos.

1937- O Deus Momo ( como denominavam) chegava por via fluvial e era recepcionado no Porto de Uruguaiana. Logo a seguir os foliões e populares seguiam em préstito o Momo, até o clube Comercial.

Nas décadas de 1920 a 1930, os blocos carnavalescos denominavam suas sedes concentração de “caverna” ou de “castelo “ referências da mitologia. Os bailes carnavalescos tinham como ponto alto a dança da “Polonaise” que era conduzida por um marcador, As marchinhas os carnavalescos denominavam de “marcha de guerra.”

2ª EDIÇÃO- 22 janeiro 2006- DANIEL FANTI Diretor de Carnaval da LIESU

CURIOSIDADES ESPARSAS

1945- Paulino Matias e Perceu Baptista, músicos pensavam em organizar uma autêntica Escola de Samba, à molde do Rio de Janeiro. Até então, essa modalidade carnavalesca não se conhecia em Uruguaiana, existindo somente blocos.

1945- Srta. Ermegarda Marques, Rainha do Clube Caixeiral e o Presidente Walter Praetezel, preparavam-se para organizar o tão esperado Baile de Carnaval.

1945- A diretoria do Clube Comercial organizava Baile Carnavalesco de Gala com direito a Smoking e Summer, colarinho duro e outros acessórios. Comentava o jornal A Nação que esse baile não parecia muito carnavalesco.

1945- no regulamento do Jogo d’água estabelecia o horário das 13:30 às 17:30 nos dias de carnaval. Proibia:

-Que não molhassem as cozinheiras e nem os fantasiados.

-Que água suja não devia ser utilizada.

-Que devia haver respeito, princípios de decoro e cavalheirismo.

1947- Fazia sucesso na rádio Charrua a marchinha carnavalesca “O Pirata da Perna de Pau”

1951- o 1º grito de Carnaval nos salões da Agrícola Pastorial, recebia sua Majestade o Rei Momo. O serviço de bar estava a cargo Sr. Atilano Nogueira. A imprensa comentava “a encantadora festividade burlesca’.

1934- O rei Momo chegava via barco no Porto de Uruguaiana e dizia a imprensa: “O Deus Momo vem das regiões do seu confrade Netuno.” A concentração dos foliões se fazia na Praça D.Pedro II, antiga praça do Porto. Após, a recepção de Momo, seguia um luzidio cortejo até ao centro da cidade. Sr. Félix Romano era o Momo.

1945- Anunciava-se a programação de Carnaval:

Dia 28 janeiro- formidável Corso e a tarde Jogo d’água;

Dia 3 Fevereiro- bailes burlescos no Comercial e Caixeiral;

Dia 4  idem    – Domingo- cortejo de serpentina e confétes, o calor será atenuado pelo o entrudo (Jogos d’água )

Dia 10-Fevereiro- Baile a fantasia nos dois clubes;

Dia 11- Folia plena- grande Corso e concurso de Camarotes Ornamentados. À tarde e a noite Entrudo.

Dia 13 Fevereiro- Terça-feira gorda- Corso e Entrudo.

Dia 17 Fevereiro- Baile a fantasia no Caixeiral.

Dia 18 Fevereiro- Enterro dos Ossos- Corso e Entrudo e Chuva (certamente se referia a jogos d’água.)

1980- Marta Pinheiro,nossa rainha do carnaval, foi eleita em Bagé, Rainha do Carnavaldo Rio Grande do Sul.

1984- Impasse do presidente da AESU, (Associação das Escolas de Samba de Uruguaiana), condena o O Jornal de Uruguaiana, por Ter divulgado na véspera do Carnaval a relação de jurados, com ressalva daqueles que ainda seriam convidados. Na ânsia de atacar o jornal, foi deselegante, ao citar o nome do Sr. Arthur Ramos, que como alguém não seria jurado. Curiosamente, no dia seguinte, foi o primeiro a fazer parte da lista dos jurados. Tornou-se difícil convencer os suplentes a compor a referida lista.

1997- Citava o O Jornal de Uruguaiana: O Carnaval de Paso de Los Libres está envolvido em discussões e denúncias: as rádios librênhas anunciavam que um grupo de torcedores de uma escola de samba havia tentado subornar um jurado brasileiro.

1997- “Os Intocáveis”, bloco de salão sem fantasias, apenas usando camisteas personalizadas, sagra-se em 1º lugar no Concurso estabelecido pelo Clube Comercial, tirando o 2º lugar o “Bacus” e  em 3º o bloco U.T.I., em 4º lugar os “Independentes. Os dois primeiros, chegavam a ter  uns 800 integrantes, aproximadamente.

1978- Em janeiro é instituída a COMCECAR para dirigir e organizar o carnaval, com seu escritório na rua Santana nº 2767. Na Coordenadoria Executiva tinha o arquiteto Dr. Moacyr Ramos Martins, o Pitico e o Coronel Léo Saraiva Neiva representava o Excutivo Municipal.

1980- Deu Chucha na Zebra é a grande campeã do Carnaval, tendo Maria de Fátima Moroso como excepcional sambista e Chiquinho com o destaque O Rei da Paz.

Esta Escola realizava seus ensaios frente a sede do Aliado Futebol Clube na rua Benjamin Constant.

1980- A Imprensa comenta  a inflacionalidade  do Carnaval, herança deixada pelos Os Rouxinóis e Cova da Onça, que não participaram daquele desfile.

1980- A Chucha reclama dos “olheiros” da Marduque, que vão todas as noites espionar seus ensaios. Introduziu naquele Carnaval as cores vermelho e azul em suas fantasias numa homenagem ao Aliado F. C.

1980- Marta Pinheiro Maffazoli, de 18, Rainha do Carnaval do RGS, é da Chucha na Zebra.

1980- João Mauro, presidente da Ilha do Marduque, critica Os Rouxinóis e Cova da Onça, pois “deram o passo maior que as pernas e agora não vão sair.”

Adverte também que não adianta a Chucha ensaiar no Imbaá, que eles não vão perder para a preto e branco.

1980- O samba-enredo da Ilha do Marduque, baseava-se numa poesia de Afonso Guimarães, Ismália, com letra e música de Nelson Ibarra, puxador do samba Sergio Matias de Abreu, o popular cantor “Palhaço’.

1980- Antonio Cândido Mendes de Souza, Assessor de Turismo e Desportos da PMU, ressalta que pretende dar prioridade absoluta para o Carnaval de Uruguaiana, que deve ser divulgado e promovido para atrair turistas à cidade.

1985- Jane Silva a “Pinah” da Ilha do Marduque confirma sua participação no Carnaval. Quanto a nudez ela não sabe se repetirá o mesmo estilo do carnaval passado.

1998- A LIESU reinicia a venda de cautelas, com o objetivo de arrecadar fundos para o Carnaval daquele ano e saldar a dívida num total de R$ 18 mil, afirma José Newton Gomes do Conselho Deliberativo da entidade.

1938- O cordão carnavalesco “Pierrots” realiza sessão de Assembléia Geral e reelege seu Presidente, Sr. Cristalino Jardim.

1961- O Prefeito Antonio Chiarello, pretende oficializar o Carnaval de Rua de Uruguaiana mas, advertia: “Não gastará um tostão com os festejos”. Houve apenas uma inovação: o carnaval voltará para a Av.Pres. Vargas, e não construirá no local o enorme tablado, como fizera na Bento Martins. Que o comércio deveria custear as despesas da festa.

PARTE II

3ª  Edição –  28 de janeiro de 2006- DANIEL FANTI Vice-presidente de Carnaval

 

CURIOSIDADES ESPARSAS

1928- A Intendência Municipal pela Lei nº 78, autoriza a despesa de três contos de réis para as festas carnavalescas, conforme a Lei Orgânica do Município. O documento era assinado por Franklin Fabrício, Sub-Intendente substituto e pelo Dr. Alberto de Lemos, Secretário do Município.

1940- Dr. Francisco Maria Piquet, Prefeito Municipal, autoriza ao Diretor do Tesouro a pagar a Comissão de Festas Públicas, a quantia de um conto de réis como auxílio aos festejos carnavalescos de rua de Uruguaiana.

1927- O Cel. João Baptista Arregui, Intendente Municipal, pela Lei nº 63, autoriza o governo do município a despender até a quantia de 2:500$00 réis, para as festas carnavalescas daquele ano. O documento era assinado também pelo Dr. Alberto de Lemos, Secretário do Município.

1941- Dr. Francisco Maria Piquet, Prefeito Municipal, autoriza uma contribuição de um conto de réis, para ser distribuído em partes iguais entre os clubes carnavalescos, Sr. Raphael de Souza Guez, era o Diretor do Tesouro.

1981- Cláudio Piegas, presidente do Bloco “Rainha Letícia” comemora com os integrantes mais uma vitória no carnaval, depois de sete anos vencedor. Queixava-se do jornal Correio de Notícias, que fez ao bloco severas críticas e que acusava a Comissão Julgadora de total incompetência.

1982- A Gráfica Comercial imprime o Cartaz do Carnaval de 1982, na concepção do desenhista Jorge Antonio Muniz, numa edição de 500 exemplares.

1981- Comenta o jornal “Folha da Fronteira” que os Rouxinóis escola presidida por Palmor Franklin do Prado Neto, entrou em crise, dando chances para as demais escolas. Que os presidentes de honra, Magda e Severo Luzardo, não perdoariam a  ausência de sua escola no Carnaval de 1982.

1998- João Carlos Ritter, presidente da LIESU pela licença de Milton lemos, confirma que o carnaval será montado na Av. Flores da Cunha, nos mesmos moldes dos carnavais anteriores, abrangendo quatro quadras a partir da rua Prado Lima até a rua Dr. Maia, num total de 520 metros.

1998- Este carnaval esteve em vias de não se realizar, depois de um acerto entre a Prefeitura e a LIESU, havendo uma estimativa de 30 mil espectadores para assistir a festa.

1998- A Escola de Samba Unidos da Ilha do Marduque, lança seu enredo “O que há com o Oryza Sativa “ fazendo uma homenagem aos arrozeiros, contando a história da orizicultura.

1985- Unidos da Cova da Onça faz um grande desfile e se consagra a campeã, intensificando a grande festa popular.

1983- A Unidos da Ilha do Marduque é a grande destaque das escolas do grupo 2, contando no seu enredo o porquê do nome Marduque, começando aí, sua ascensão para o 1º grupo, onde  vem se destacando.

1987- “Quatro Dias de Caviar “ destaca a Unidos da Cova da Onça como a grande Campeã daquele ano, mostrando uma explosão de rara beleza na última noite.

1946- Dia 23 de Fevereiro – Sábado- Baile à Fantasia no Clube Comercial com a coroação da rainha Srta. Sarita Velo e a inauguração do busto em bronze de Luiz Bettinelli, fundador do clube.

1980- Ubirajara Saldanha, presidente da Unidos do Uirapuru, que ficou em 3º lugar no carnaval anterior, promete melhor colocação para a verde-rosa no próximo evento popular.

1984- A imprensa reclama: “Todos os anos a COMCECAR destinava um camarote a cada veículo de comunicação. Consta que este ano será abolido, alegando o fim das mordomias. E diziam: “É uma maneira de ver as coisas, mas certamente a imprensa também poderia  passar a cobrar pela imensa cobertura que dão gratuitamente ao carnaval. O espaço em rádio, televisão e jornal, custa bem mais caro do que meia dúzia de camarotes.”

1984- Muita gente reclamando dos preços cobrados por algumas escolas de samba, pela mesas dos bares instalados na Pres. Vargas. “Só se for levar a mesa para casa na  Quarta-feira de cinzas.”…

1998- A Unidos da Ilha do Marduque, sem sede, utiliza as dependências da Associação dos Retalhistas para suas promoções.

1975- Pela Lei nº 1.284/75, a Escola de Samba Os Rouxinóis viaja para Porto Alegre, recebendo um financiamento da Secretaria de Turismo da PMU, no valor de 8.000,00 com a finalidade de divulgar o nosso carnaval.

1976- A empresa de Transportes Victor Razzera e Cia, Ltda, leva a Unidos da Cova da Onça a Paisandú, recebendo pela SETUR-PMU uma verba de 50%,no valor de 6.500,00.

1976- A SETUR paga frete de 5.500,00 a Escola de Samba Os Rouxinóis para levar instrumentos de bateria e fantasias à excursão fora do país, pelo Expresso Mercúrio.

1976- Despesas para a incrementar o carnaval de Uruguaiana oriunda da SETUR/PMU:

Troféus de premiação e gravação………………………………………………..  7.895,00

Patrocínio Guia Turístico Carnaval 1976……………………………………..  2.000,00

Ajuda de custo para a Unidos do Uirapurú…………………………………..   8.000,00

Ajuda de custo para a Unidos da Cova da Onça……………………………   8.000,00

Ajuda de custo para os Cadetes do Amor…………………………………….    8.000,00

1942- Pela Portaria nº 14, Luiz Nabor Piffero, Secretário Geral, respondendo pelo Prefeito, autoriza ao Diretor do Tesouro que pague a Srta. Tita Angladas, Rainha do Carnaval do Clube Comercial a quantia de 150,000 reís, a título de auxílio as festas carnavalescas do Clube.

1945- Pela Portaria nº 11, Dr. Bayard Lucas de Lima, Prefeito Municipal, determina ao Diretor do Tesouro que pague ao Sr. Ordalio Pereira , presidente da Sociedade Carnavalesca Cordão de Ouro, a quantia de 200.000 cruzeiros como contribuição às festividades do XX aniversário daquela entidade.

1912- Comentava o jornal A NAÇÃO de Uruguaiana: “Hontem a noute, o symphatico e tradicional Club Carnavalesco os Democráticos, effectuou uma passeata por algumas ruas da cidade, com o ruidoso “Zé Pereira”. Quinta-feira, o mesmo Club, incorporado ao da moda, fará uma visita ao benemérito sócio Francisco José Pereira.”

1997- A srta. Maria Cândida Sena Martins, representante do bloco “ Desperdício da Boca do Lixo”, de 18 anos, é a rainha eleita para o carnaval de 1997,em promoção da LIESU e da Secretaria de Turismo e Desportos.

1997- A menina Katiuska da Rosa Pires é a vencedora do Concurso Rainha mirim do Carnaval de Uruguaiana, representando o Bloco Boa Vista, tinha o título de Top Model do RGS de 1995.

1982- Dizia o jornal Correio de Notícias: “ Novamente Uruguaiana volta a viver a alegria do carnaval. Sábado no ginásio do Colégio Santana haverá o concurso Melhor Samba-Enredo, promovido pela Assessoria de  Turismo do Município. Havia otimismo do Assessor Edson Rebés, há poucos dias empossado no cargo.”

 

2 respostas para “História do Carnaval de Uruguaiana”

  1. Tabata disse:

    Pensei que iria encontrar o cara que por muitos anos brilhou nas avenidas de uruguaiana nos anos 80 e 90 o grande GIMA meu tio!

  2. Quando li esta pesquisa, senti forte emoção de talvez encontrar fotografias e minha mãe que foi rainha e ou desfilou em carro alegórico em meados do ano de 1944 a 1948, ela era conhecida como BETA. Seu nome ELISABETH DOS SANTOS…ACHO QUE 1945- Pela Portaria nº 11, Dr. Bayard Lucas de Lima, Prefeito Municipal, determina ao Diretor do Tesouro que pague ao Sr. Ordalio Pereira , presidente da Sociedade Carnavalesca Cordão de Ouro, a quantia de 200.000 cruzeiros como contribuição às festividades do XX aniversário daquela entidade.Neste período minha mãe desfilou…Caso tenham alguma foto por gentileza entre emcontato com o meu e-mail:roseclerpereira@bol.com.br, seria uma enorme alegria, minha mãe está hoje com 88 anos de idade… obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Todos os direitos reservados à Conquista Marketing e Propaganda - 2005 à 2011.